Pages

sábado, 30 de junho de 2012

DILEMA SEM SOLUÇÃO?

 http://3.bp.blogspot.com/_QduVWN_zi60/ScFEh8NsyGI/AAAAAAAAAwQ/WDEbcIgE3KQ/s400/5910985.jpg

Um dilema moderno do futebol, se é que se pode falar em dilema, é a presença ou participação da torcida nos estádios de futebol. Numa época mais remota do futebol, tinhamos sempre ótimos públicos em estádios, jogos que invariavelmente eram de grande expectativa, chegavam a ter 120 mil pessoas nas arquibancadas do Brasil a fora, em especial em estádios como Maracanã, Morumbi e Minerão.

Que fatores levaram a essa escassez de pessoas em estádios? Muitos identificam como a televisão a grande vilã desse fato, acho que existem fatores, que além da televisão, influenciam para a fuga de torcedores dos campos. Vou tentar enumerar alguns que acho relevante.

O primeiro deles, na minha opinião, a estrutura oferecida pelos clubes em estádios são quase sempre muito ruins, banheiros muito ruins, falta de lugares para alimentação, enfim, desconforto em todos os sentidos. O segundo seria a falta de segurança fora dos estádios, já que a violência, felizmente, não tem sido vista mais dentro de estádios, mas em suas imediações é muito comum em dias de granes clássicos regionais, torcedores organizados se digladiarem por simples prazer, afugentando famílias e mais famílias dos estádios. Em muitos casos o poder público, simplesmente não consegue sanar esse grande problema social, muito por culpa dos próprios torcedores organizados e pela contribuição também da relação promiscua que existe entre essas torcidas e as diretorias de grandes clubes, que se apoiam nesses caras para conseguir apoio em eleições e etc.

 E a terceira, ai sim envolvendo a televisão, podemos colocar os horários das partidas, que na minha opinião, muitas vezes equivocados para determinados dias da semana. Quarta feira as dez horas da noite, não é um horário muito convidativo a assistir uma partida de futebol, principalmente para quem tem atividades regulares, como trabalho e estudo, pois em geral essas partidas sempre acabam perto da meia noite, e em algumas cidades, esse horário já não é um horário muito propício a ficar na rua, um pela violência diário das grandes cidades e outro é a péssima qualidade do transporte público do Brasil. Esse horários são sempre colocados para atender a grade de programação da detentora dos direitos de transmissão das partidas. Mas jogadores e diretorias nunca se manifestaram e nunca se manisfestarão, e assim parece que esse cenário vai ficar por muito tempo.


A copa do mundo que será realizada no Brasil, poderia ser o sopro de mudança nessa questão estrutural dos estádios, principalmente gramados, instalações oferecidas ao público. No caso mais especifico do Maracanã, no qual tenho muitas saudades dos domingos a tarde em que ia assistir meu time na falecida geral, com um estádio abarrotado de pessoas, com uma atmosfera de um estádio de futebol de verdade, acho pouco provável que tenhamos tardes como aquelas ou público tão animado como aquele, pois acredito que um estádio que custa um bilhão de reais, não será feito para o grande público e sim para um processo que passa claramente a nossas vistas, o processo de elitização do futebol. 
 
O podemos acreditar que a copa do mundo é de fato uma evento para o povo? Acho que muito pouco provável. Me responda: Existe coisa mais linda para o futebol do que um clássico com estádio lotado?

http://www.omanicomio.com.br/wp-content/uploads/2012/05/pacaembu_lotado.jpg

domingo, 24 de junho de 2012

FIM DOS 363 DIAS


 

Foram exatamente 363 dias de agonia e angustia por parte de um dos maiores times da argentina e do mundo, o glorioso River Plate protagonizava uma das páginas mais vergonhasas de sua história ao cair para a segunda divisão do futebol argentino. Qual torcedor milionário (como são conhecidos os torcedores do River) não lembra daquela fatídica tarde início de noite de Buenos Aires, no monumental de nuñes? O destino pregava uma peça dolorosa, naquele trágico dia de 26 junho, comemorava-se 15 anos do bicampeonato da taça libertadores. Sempre acostumado com as vitórias e os triunfos, nem o mais incrédulo torcedor do River imaginaria um roteiro tão dramático e melancólico para aquele dia, que poderia ser um grande dia de festa e representar a salvação do inferno. Na verdade, o time milionário não caiu naquele dia, e sim já vinha se desmoronando estruturalmente a alguns anos, culpa de péssimas administrações, investimentos altos em jogadores que não deram resposta, clube muito bagunçado e ausência de títulos, ingredientes que levaram esse gigante portenho ao pior dos mundos, o rebaixamento a segunda divisão.

Link com a 1º parte desse jogo contra o Belgrano

http://www.youtube.com/watch?v=QapsVN8joRI&feature=related

Esse nova realidade do gigante centenário era dolorosa e dura, era necessário medidas que fizessem esse clube se levantar, pois, em geral, as segundas divisões dos grandes campeonatos do mundo sempre são muito disputadas e difíceis, condições de trabalho precário, campos ruins e pressão da torcida muito grande, até porque, para muitos desses clubes, diria 90% deles, não tem o costume de jogar contra esses grandes times, a exposição em jogos desse porte é muito grande. Quando qualquer grande time cai, os times de menor expressão veem a oportunidade de tentar fazer algo diferente, dirigentes atrás de renda para sustentar os clubes, o jogadores tem a chance de darem um salto em suas carreiras tentando garantir melhores contratos e clubes de maior porte e pros torcedores chance de tirar uma casquinha do momento ruim do rival, enfim, esse é o cenário que aguardaria o River.

Uma parte da imprensa portenha acreditava que o clube milionário subiria com facilidade, com algo em torno de 15 pontos de diferença, ou coisa do gênero, tenho a acreditar que uma parte da torcida também acreditava que seria uma tarefa mais simples.

O clube precisava se concentrar na montagem de um time que fosse minimamente confiável e competitivo, pois a competição que seria disputada agora, requeria esse tipo de comprometimento, não podia passar na cabeça de ninguém dentro da Argentina, que o River fosse ficar mais de uma temporada na segunda divisão.

Alguns jogadores como, Cavenaghi, Trezeguet, Ponzio, Chori Dominguez, compraram essa ideia, jogadores vitoriosos e com bastante mercado fora, vieram para tentar ajudar a tirar o clube da lama, atitude louvável de caras que simplesmente amam o clube e queriam ajudar no momento mais difícil da historia, vieram para mostrar gratidão pelo clube de seus corações. No comando dessa jornada um técnico que não havia experimentado um desafio tão grande em sua vida, Matias Almeyda, ídolo do clube, que havia abandonado o futebol, como jogador e agora ia assumir o clube como treinador, talvez a sua falta de experiencia acabou sendo um dos fatores que fizeram o River ter tanta dificuldade na segunda divisão.



Conforme a competição foi ganhando corpo, aquela facilidade que muitos acreditavam que seria a vida dos milionários na segundona foi acabando e ganhando ares de preocupação e em alguns casos ares dramáticos, pois demorava muito para que o River assumisse uma postara de grande time e ficasse com a primeira posição do torneio sobre sua batuta até o fim da competição. Mas algumas derrotas foram vindo e o medo de um novo fracasso se aproximava. A lógica desse post não é contar a saga do River na segunda divisão e sim chegar ao momento que todos queriam, vou me ater apenas a última rodada.

A última rodada, o River só tinha uma situação para chegar ao acesso direto, sim o River castigou seus torcedores em só decidir no ultimo jogo a vaga para volta a elite, vencendo um adversário que não tinha mais nada a fazer na competição, a não ser atrapalhar os planos do River. O Almirante Brown que é conhecido por ter uma torcida muito atuante no que se refere a violência, não foi o grande adversário e sim o nervosismo e a ansiedade que estava no ar do monumental de nuñes, isso passou para os jogadores, tornando a partida bem mais difícil do que seria normalmente. Quis o destino que seu principal concorrente a essa volta a elite fosse um time de Córdoba, o Instituto que jogava em casa contra o despreocupado Ferro Carril. Se ambos vencessem subiriam direto sem passar pelo terror da chamada Promoción, que é uma especie de repescagem para a vaga de acesso.



O Jogo foi bem nervoso, jogadores erravam muitos passes, o clima no estádio só amenizou quando seus principais concorrentes começaram a não ganhar seus jogos, em especial o Instituto que foi derrotado em casa, coisa que ninguém imaginava. Saldo da batalha, River conseguiu uma vitória construída com muita garra, sofrimento e união, 2 x 0 e com pênalti perdido por Trezeguet, o francês de família argentina que tinha um sonho de jogar no time da família.

Torcedores do Boca é óbvio que vibraram com a volta do rival, afinal de contas, o campeonato argentino sem o super clássico não fazia sentido para os Xeneizes, que apesar das gozações que empreendiam contra os torcedores milionários, no fundo de sua alma desejava tanto quanto os torcedores rivais a volta de seu principal adversário, a solidão para ambos não faz bem ao futebol portenho.


(notem a alegria deles com a volta do River)

Para finalizar, o River precisa pensar seriamente no futuro, pois a torcida não quer mais passar por esses dias de sofrimento e angustia, aquele torcedor que encheu o monumental na tarde do dia 23 de junho de 2012 anceia por dias mais felizes e vitoriosos, pois o triunfo combina mais com o time milionário do que qualquer outra coisa.

Primeira B Nacional, o prazer foi todo seu, seja feliz , vou embora por que ai não é meu lugar e até nunca mais!

sexta-feira, 22 de junho de 2012

TABELAS - PREMIER LEAGUE E CHAMPIONSHIP

http://blogextracampo.files.wordpress.com/2008/09/premierleague.jpg


                                                                                                                                                                                                  

Estou disponibilizando no meu blog a tabela da Premier League, temporada 2012/2013, que começará dia 18/08, toda a rodada será disputada no sábado. Esses são os primeiros confrontos:

Arsenal v Sunderland Emirates Stadium

Everton v Man Utd Goodison Park

Fulham v Norwich Craven Cottage

Man City v Southampton Etihad Stadium

Newcastle v Tottenham Sports Direct Arena

QPR v Swansea Loftus Road Stadium

Reading v Stoke Madejski Stadium

West Brom v Liverpool The Hawthorns

West Ham v Aston Villa Upton Park

Wigan v Chelsea The DW Stadium

O restante da tabela, você pode acessar esse link que vou disponibilizar, e já vá dando aquela olhada na caminhada do seu time.


Site oficial da Premier League:


http://www.premierleague.com/en-gb/matchday/matches.html?paramClubId=ALL&paramComp_100=true&view=.dateSeason


                                                

http://www5.picturepush.com/photo/a/4533478/480/npower-Championship%E2%84%A2/Football-League-Championship.png?v0 


Estou disponibilizando também a tabela completa da divertida championship, segunda divisão da Inglaterra, quarta no ranking de rendas na europa, só perde para Bundesliga, Premier League, LigaBBVA e a Série A. A temporada 2012/2013 começará no dia 18/08, como na primeira divisão, todos os jogos disputados no sábado.

Primeira rodada:


Burnley v Bolton - Turf Moor 

 
Iswich Town v Blackburn - Portman Road 

 
Crystal Palace v Watford - Selhurst Park 

 
Derby County v Sheffield Wed - Pride Park 

 
Barnsley v Middlesbrough - Oakwell 

 
Birmingham v Charlton - St. Andrews 

 
Leicester City v Peterborough - Walkers Stadium 

 
Leeds United v Wolves - Elland Road 

 
Millwall v Blackpool - The Den 

 
Nottm Forest v Bristol City - City Ground 

 
Hull City v Brighton - Hilarius Stadium 

 
Cardiff City v Huddersfield - Millenium Stadium

O restante da rodada você pode acompanhar por esse link que estou colocando abaixo.


Site oficial da Npower Championship


http://www.football-league.co.uk/page/AllCompFixtures/0,,10794~201200007,00.html

quinta-feira, 21 de junho de 2012

ENTREVISTA, TREZEGUET PARA O OLÉ

 http://chavofucks.files.wordpress.com/2012/02/trezeg_05614.jpg

Trezeguet, sem rodeios, fala da final contra o Almirante Brown, está ciente de que é um dos momentos mais importantes da história do clube. Ele preferiu não pensar em uma promoção hipotética: "No centro de treinamento, há semanas que não falam sobre isso", disse ele.

É um dos principais jogadores do time de Matias Almeyda. Com sua experiência, também ganhou o respeito dentro do grupo, apesar de não ter começado a temporada com o resto. David Trezeguet conta as horas para o confronto com o Almirante Brown, pela segunda divisão argentina e analisa a importância da partida: "Não vai ser só no campo, será uma batalha psicológica, esta semana será essencial para trabalhar o mental, sabendo que temos para atingir o objetivo principal . Nós jogamos a história deste clube ", disse ele, sem rodeios.

Em uma entrevista com uma Rede de televisão, o francês também se referiu a uma hipotética decisão num jogo de promoção, no qual enfretaria um time que vem da série A, igual ao que aconteceu com o próprio Ríver na temporada passada, quando foi rebaixado diante do Belgrano de Córdoda. O atacante francês preferiu descartar possibilidade em sua mente no momento ... "Esta é uma oportunidade única no clube durante semanas ninguém fala da promoção", disse ele.

E ele admitiu, no futebol: "Estamos conscientes de que nós não jogamos bem. Às vezes achamos difícil de girar a bola, então temos que corrigir tudo isso, e temos de estar concentrados diante do Almirante minuto 90." Finalizou o Trezeguet.


 
 Fonte:
Entrevista retirada da edição eletrônica do diário Olé. 
http://www.ole.com.ar/river-plate/futbol/jugamos-historia-River_0_722328037.html

A DOIS PASSOS DO PARAÍSO


Na noite desta quarta feira mais uma bela história do futebol foi contada, pela primeira vez na história o Corinthians vai disputar uma final do maior torneio de clubes do continente, a tão almejada libertadores da américa. Por mais que alguns dirigentes corintianos desdenhem do torneio, uma ala da torcida use uma frase na qual dizem: "Não vivemos de títulos, vivemos de corinthians", nota-se pela comoção da noite de ontem que a torcida deseja muito essa conquista, e que sofrerá até o fim por ela.

No que se refere ao campo, o time; deu pra perceber que dessa vez o clube não chegou com a pressão habitual e a ansiedade para conquista do título, diferente de anos anteriores, quando o clube sempre chegou pilhado tanto pela torcida quanto pela diretoria, o que representou fracassos retumbantes. Dessa vez o Corinthians teve a sabedoria de montar um time que não tem grandes estrelas e sim um conjunto muito forte, muito bem treinado pelo Tite, treinador que vem se demosntrando um ótimo técnico, fez um time aparentemente comum, num time que simplesmente não é vazado. Montou uma equipe que preza pelo conjunto, pela solidariedade entre eles. Parece que a exigente torcida corintiana comprou essa ideia e o clube vive um momento propício a chegada dessa conquista.



No jogo da semifinal de ontem diante do Santos deu pra perceber que o Corinthians é um time muito seguro e consciente de suas limitações e possibilidades, a velha máxima de que jogador é indisciplinado táticamente, com esse corinthians do Tite não vale, todos sabem muito bem qual seu papel em campo. Nem mesmo enfrentando o Santos de Neymar se balou, fez um jogo muito seguro na Vila Belmiro, quando ganhou por 1 x 0 e ontem fez um segundo tempo muito técnico e praticamente não correu perigo. Óbvio que o gol corintiano no início do segundo tempo demonstrou que esse time parece iluminado, mesma impressão que tive quando Paulinho fez o fatídico gol diante do Vasco aos 43 min do segundo tempo (digo fatídigo porque sou torcedor vascaino).

Soube marcar muito bem Neymar, podemos dizer que o jovem craque santista não se apresentou para as semifinais dessa libertadores. Fez uma marcação forte e acima de tudo se ressaltar que foi muito leal, não houve pontapé. Ganso é uma sombra daquele que parecia ser um craque que nascia para o futebol brasileiro. Neymar bem marcado deixa o Santos sem opções, Tite inteligentimente fez o que o time do Vélez já havia feito, anulando o craque quase eliminaram o tricampeão da américa.



Corinthians começou esse jogo diferente do que vem fazendo usualmente, marcar o adversário no seu campo, empurrando sua defesa sempre pra trás, acho que o nervosismo atrapalhou um pouco no início do jogo. Tite soube identificar esse problema e acertou o time no segundo tempo, marcou o empate e não mais deu pinta de que seria eliminado.

Esse time é muito forte e chega muito forte para sua primeira decisaõ desse torneio, se Tite souber controlar os ânimos dos jogadores e da torcida, o time de São Paulo pode estar vivendo a ultimas horas da entrada no paraíso.



Campanha do Corinthians na Libertadores 2012:

Grupo 6

15/02 – Deportivo Táchira (VEN) 1 x 1 CORINTHIANS

07/03 – CORINTHIANS 2 x 0 Nacional (PAR)

14/03 – Cruz Azul (MEX) 0 x 0 CORINTHIANS

21/03 - CORINTHIANS 1 x 0 Cruz Azul (MEX)

11/04 – Nacional (PAR) 1 x 3 CORINTHIANS

18/04 – CORINTHIANS 6 x 0 Deportivo Táchira (VEN)

Oitavas de Final

02/05 – Emelec (EQU) 0 x 0 CORINTHIANS

09/05 – CORINTHIANS 3 x 0 Emelec (EQU)

Quartas de Final

16/05 e 23/05

Vasco 0 x 0 CORINTHIANS

CORINTHIANS 1 x 0 Vasco

Semifinal

13/06 e 20/06

Santos 0 x 1 CORINTHIANS

CORINTHIANS 1 x 1 Santos


12 Jogos: 7 vitórias, 5 empates e 0 derrota.


19 gols pro e 3 gols contra.


Com essa campanha, você duvida do título?

segunda-feira, 18 de junho de 2012

FALÊNCIA OU RECOMEÇO?




No fim da última temporada, 2011/2012, um do maiores clubes da Escócia e da europa, decretou falência e o encerramento de suas atividades como clube de futebol. O clube de Glasgow, acumulava uma dívida que girava em torno de 21 milhões de libras (equivalente a 68 milhoões de reais).

O clube fundado por protestantes escoceses e membro original da formação da liga escocesa de futebol, já não existe mais como Glasgow rangers, seu novo nome é The Rangers Football Club. Os torcedores do Rangers estão em vários países e são adeptos de diversas religiões, entretanto, na história do clube, o Rangers é mais próximo dos Protestantes e da comunidade à favor do Reino Unido. Ao longos dos anos o Rangers disputa a hegemonia do país com o Celtic, também de Glasgow.

O grande problema está exatamente nessa mudança, pois teoricamente como houve uma mudança de nome, o clube deveria ser rebaixado automáticamente, já que o tradicional Glasgow Rangers não mais existe, seu novo dono Charles Green fará um apelo junto aos outros clubes da liga, para que a situação do novo/velho clube permaneça a mesma, ou seja, permanecça na primeira divisão, já que herdará todos os 54 títulos escoceses.




O novo dono do clube já garantiu que pretende manter Ally McCoist no cargo de treinador, apesar de a equipe estar perdendo todos os jogadores que tem no momento. Segundo alega a associação de jogadores, todos os jogadores podem, se caso queiram, sair do novo clube Glasgow, pois a mudança de nome permite essa situação de mudança.

O que nos resta é apenas aguardar e torcer para que um dos clássicos de maior rivalidade no futebol, o Old Firm, não acabe.


Um caso mais recente de falencia, aconteceu na Inglaterra com o tradicional clube do sul, o Portsmouth, que teve decretada duas falencias administrativas num periodo de 10 anos, resultando em sucessivos rebaixamentos. Atualmente se encontra na League One, terceira divisão inglesa, sem grandes pespectivas para o futuro.

domingo, 17 de junho de 2012

HASTA, BRUJA!



Na noite desse sábado houve uma daquelas despedidas que vão ser sentidas por muito tempo pelo mundo de futebol, Juan Sebastian Verón, ou simplesmente Verón ou ainda La Bruja, deu adeus ao futebol numa despedida emocionada e grandiosa em La Plata, cidade onde apareceu para o futebol defendendo o Estudiantes, clube pelo qual se aposentará. Aos 37 anos ele deixa uma grande contribuição pro futebol arte.

O jogo diante do Olimpo de Baia Blanca, foi apenas um pano de fundo para uma noite que nenhum pincharrata (como são conhecidos os torcedores do Estudiantes) vai esquecer, o jogo terminou com vitória do time de La Plata por 1 x 0, Mercado foi autor, vitória que seria irrelevante para a posição do Estudiantes na competição. O grande barato mesmo era a despedida de Verón, o público no estádio estava num misto de emoção, alegria e tristeza.

Jogador que sempre foi reconhecido pela sua técnica apurada, toque de bola refinado, belo cobrador de faltas, teve seu auge no fim dos anos 90, teve muito sucesso no Parma, ao lado de um grande time, levou esse clube a conquistas como a copa Itália e da UEFA de 99, levou a Lázio ao scudetto do ano seguinte, sendo o maestro daquele time e em se tratando de clubes, sempre teve papel de destaque em todos, exceto em Manchester quando teve alguns problemas que influenciaram para o desempenho abaixo do esperado, passou ainda pelo Chelsea, quando ainda não era o milionário clube londrino, teve uma passagem muito conturbada pela Inter de Milão. De volta ao Estudiantes na temporada 2008, imediatamente se tornou um jogador tão importante para o futebol argentinou que foi novamente convocado para seleção de Maradona. Conquistou uma Taça Libertadores e um torneio apertura pelo clube de La Plata.



Pela Seleção Argentina jogou as copas de 1998 e 2002. Perdeu espaço com a chegada de José Pekerman e foi uma das estrelas deixadas de fora da Copa do Mundo de 2006, juntamente com os companheiros de Internazionale na época Zanetti e Samuel.



Voltou a defender o país sob o comando de Alfio Basile, participando de sua primeira Copa América em 2007. Após o sucesso com o Estudiantes, Verón reconquistou seu espaço na seleção, sob comando de Diego Maradona, teria o papel de grande estrela do time depois é claro de Messi. Atuando nas eliminatórias da Copa do Mundo de 2010 na África do Sul, torneio para o qual também foi convocado.

Em 27 de agosto de 2010, depois da eliminação da Argentina na Copa, Véron anunciou sua aposentadoria da seleção. - "Meu ciclo na seleção terminou. Um novo grupo para o Mundial está sendo formado, e por idade não me vejo em outra copa, existem jogadores que estão na minha frente. Sou realista e não me vejo em outra Copa do Mundo."
Emocionado ao se despedir do clube e da torcida, ontem a noite no estádio Ciudad de La Plata disse algumas palavras como essas:

"São muitas memórias, nasci aqui. Não posso falar sobre coisas memoráveis, pois esqueceria pessoas e momentos importantes. Quando saí de campo, pensei no meu 'velho', na minha 'velha', nos meus avós, nos meus tios, filhos e amigos. Todas as pessoas que me apoiaram"

Definitivamente um dos grandes jogadores da nossa era, vai ficar aquele vazio que dá quando grandes jogadores como esse se vão. Só podemos agradecer por tudo que La Bruja fez, não só pelo futebol argentino ou italiano, mas sim pelo futebol mundial, ficará no hall dos grandes.

A última partida da carreira de Verón será no próximo domingo, quando o Estudiantes encara o Unión fora de casa, pela última rodada do campeonato argentino.


Curriculum de Verón:

Times na carreira:

1994 a 1996 - Estudiantes - 22 Jogos e 2 gols
1996 - Boca Jrs. - 17 Jogos e 3 gols
1996 a 1998 - Sampdoria - 61 Jogos e 6 gols
1998 a 1999 - Parma - 26 Jogos e 1 gol
1999 a 2001 - Lázio - 53 Jogos e 11 gols
2001 a 2003 - Manchester United - 51 Jogos e 7 gols
2003 - Chelsea - 14 Jogos e 1 gol
2003 - 2008 - Internazionale - 49 Jogos e 3 gols
2008 - Estudiantes - 

Seleção Argentina:

1996 - 2010 - 73 Jogos e 9 gols

Títulos:

Estudiantes
Campeonato Argentino B: 1995
Campeonato Argentino: 2006 (Apertura)
Copa Libertadores: 2009
Campeonato Argentino: 2010 (Apertura)


Parma
Coppa Italia: 1998-99
Copa da UEFA: 1998-99

Lazio
Campeonato Italiano: 1999-00
Coppa Italia: 1999-00
Supercopa da Itália: 2000

Manchester United
Campeonato Inglês: 2002/03

Internazionale
Coppa Italia: 2004-05, 2005-06
Supercopa da Itália: 2005, 2006
Campeonato Italiano: 2005-06



sexta-feira, 15 de junho de 2012

O GIGANTE ADORMECIDO

Aston Villa passa por uma séria crise técnica desde a saída de Martin O´Neill, quando pediu demissão por não concordar com a política dos donos do clube no episódio da venda de Milner para o Manchester City. Pensando pela lógica do negócio, sem dúvida, a venda do meia inglês proporcionou uma grande quantidade de dinheiro injetada no clube, mas por outro lado, o clube perdeu muito com essa saída.

Tradicional clube centenário de Birmingham, detentor de sete títulos ingleses e um título europeu conquistado em 1981 e um dos fundadores da Liga Inglesa, sofre muito nos últimos anos, exceto na temporada 2009/2010, quando disputou uma vaga na Champions League, até a ultimas rodadas quando perdeu força e ficou de fora. Aquela campanha foi feita com 64 pts, 17 vitórias, 13 empates e 8 derrotas.



Sob a batuta de Martin O´Neill, competente técnico da Irlanda do norte, fez uma grande campanha, esbarrando na falta de um elenco mais qualificado e não conseguiu aquela vaga por alguns detalhes, muitos empates e derrotas em confrontos diretos.

Para temporada seguinte, O´Neill acreditava que o dono americano do Aston Villa, Randy Lerner, também proprietário do time de futebol americano Cleveland Browns, iria reforçar o clube para buscar aquela vaga perdida na temporada anterior, só que aconteceu justamente o contrário, a direção do clube pensando nas despesas vendeu seu principal jogar, Milner por uma proposta de 17 milhões de Libras, algo em torno de 60 milhões de reais e ainda recebendo como contra peso, Stephen Ireland. Essa negociação foi o estopim para o fim das relações amigáveis entre o técnico e a diretoria, que preferiu se desligar do clube.

No ano seguinte sob o comando de Gerard Houllier, não passou do 9° lugar com apostas em muito jogadores da base e sem nenhum grande reforço, talvez tenha sido a política do clube nessa temporada. No fim da temporada o técnico francês, ex-Liverpool, se afastou pro problemas de saúde.

 

Na última temporada, sob comando de Alex McLeish, ex- técnico do seu principal rival de cidade, o Birmingham City, que esteve nos playoffs da Championship, segunda divisão inglesa, tentando voltar a Premier League, credenciado por ter sido campeão da Carlling Cup pelo Blues numa decisão contra o Arsenal. Sob muito protesto dos torcedores e alguns dirigentes e já com a perda de outro grande nome do time, Ashley Young para o Manchester United, sofreu muita pressão para não deixar o tradicional Aston Villa cair para segunda divisão, parece que o escocês não conseguiu cair nas graças dos jogadores, elenco esse que sofre muito com a falta de talento.



Após seu objetivo concluido, salvou o Villa da segunda divisão, foi demetido do cargo e contratado pro seu lugar, Paul Lambert, ex-técnico do Norwich. O que lhe credencia a chegar ao Aston Villa fo o bom trabalho realizado nos canários, quando em seguidas promoções, desde a League One, terceira divisão, chegando a Premier League na temporada, 2011/2012.


Outra novidade para essa temporada, foi a mudança de fornecedor de material esportivo, depois de muitos anos sendo a nike, agora será a empresa italiana Macron, empresa que já patrocina, West Ham, Millwall entre outros.

A minha dúvida é: Será que vai bastar um bom técnico sem bons valores? Será que Bent será a única estrela dessa companhia?



Nova camisa 2012/2013

A OBSESSÃO QUE VIROU REALIDADE

 http://www.chelseafc.com/javaImages/b8/4c/0,,10268~3689656,00.gif

Até o ano de 2003, o Chelsea não tinha grande notoriedade na europa e dentro da Inglaterra tinha certo prestigio por ser um clube muito bem localizado em Londres e por já ter sido campeão inglês no remoto ano de 1955.

Quando chegaram os altos investimentos proporcionados pelo bilionário Roman Abramovich, o clube subiu de patamar, começou a frequentar as posições mais altas na tabela, disputou algumas finais de copas nacionais. Os blues conquistaram nesse periodo 3 Premier League, 4 FA.Cup e 2 copas da liga. Mas sempre pairou a desconfiança em relação a que tamanho tinha o Chelsea, será que os altos investimentos se resumiam sempre as compatições domesticas, será que Abramovich investiu e formou um dos times mais caros do mundo "apenas" para conquistar a Premier League?

O Russo nunca escondeu de ninguém que tinha uma obsessão, ser campeão europeu, e esse desejo começou a ser muito nocivo em alguns momentos do clube.

http://e.i.uol.com.br/esporte/futebol/2010/01/07/roman-abramovich-presidente-do-chelsea-1262862548141_300x300.jpg 
Desde de 2005, quando de fato o Chelsea virou um habitué da Champions League, sempre foi eliminado para os finalistas da competição e em 2008 tinha sido o ano em que os blues viram mais de perto a "orelhuda" (apelido carinhoso da taça da europa).

Numeros dessas eliminações:

2006/07 - Liverpool 1 x 0 Chelsea - Chelsea 1 x 0 Liverpool- Liverpool classificado (finalista e derrotado pelo Milan)

2007/08 - Chelsea 1 x 1 Liverpool - Liverpool 3 x 2 Chelsea - Chelsea classificado (finlaista e derrotado pelo Manchester United)

2008/09 - Barcelona 0 x 0 Chelsea - Chelsea 1 x 1 Barcelona - Barcelona classificado (finalista e campeão)

2009/10 - Internazionale 2 x 1 Chelsea - Chelsea 0 x 1 Internazionale - Internazionale classificado (finalista e campeão)

2010/11 - Chelsea 0 x 1 Manchester United - Manchester United 2 x 1 Chelsea - Manchester United classificado (finalista e derrotado pelo Barcelona)

Enfim, chegava a temporada de 2011/2012 da UCL, desde de 2005, sem estar entre os grandes favoritos ao título. Dentro da própria passou por momentos dificeis, quando da saída do técnico André Villas Boas, que definitiviamente não caiu nas graças do elenco e por jogos muito complicados, em especial o confronto diante dos italianos de Napoles, quando tiveram que ter muita alma e força mental para superar aquele grande obstáculo, jogo de ida na Itália foi 3 x 1 para o Napoli e na volta em Londres os mesmos 3 x 1, decidido na prorrogação, 4 x 1.

http://blu.stb.s-msn.com/i/A1/79861217B06E9A8CBEAD6DADD3314.jpg 

Talvez ali se tenha o forjado o espirito vencedor desse elenco, o principal obstáculo, sem dúvida alguma, seria o poderoso Barcelona, o qual muitos acreditam ser o maior time desse novo século, mas não abalou a confiança azul, venceu em casa por 1 x 0 e numa partida absurdamente sensacional, Chelsea empatou com o Barça por 2 x 2 e surpreendeu o mundo.

http://s2.glbimg.com/x9CdmF7om_PRLi5pYk4131tZqgGrcXFdB_4zHBRa5a5UuwBe_dKHVeulcG2dFSTD/s.glbimg.com/es/ge/f/original/2012/04/18/drogbacomemoracao_ap2.jpg 

A final estava posta contra tudo e contra todos, literalmente, já que seu adeversário o poderoso Bayern de Munique, que já havia eliminado os galáticos do Real Madrid, jogava na Alemanha e em casa. Como já foi feita a análise do jogo neste mesmo blog, vou me ater apenas nas considerações finais do que representa esse título do Chelsea.

Se tinha alguma dúvida sobre o tamanho do clube na história da Inglaterra, essa dúvida já parecia tola, pois os Blues já estão entre os grandes da Inglaterra, na europa o patamar dos londrinos mudou, definitivamente entrou para o seleto grupo dos campeões europeus e agora começa a ser visto como um grande clube que não apenas por conta do dinheiro de seu investidor, mas por conquistas que estão começando a florescer, os credenciam agora a gigante europeu. E reafirmando o feito, foi o primeiro clube de Londres a ser campeão da Europa.

http://globoesporte.globo.com/platb/files//1080/2012/05/Chelseacampe%C3%A3oChampionsUEFA2012Reuters1.jpg

Ingleses campeões europeus:

Liverpool -  5 títulos e 2 vices

Manchester United - 3 títulos e 2 vices

Nottingham Forest - 2 títulos

Chelsea - 1 título e 1 vice

Arsenal - 1 vice

Leeds - 1 vice

quinta-feira, 14 de junho de 2012

MANCHESTER UNITED "EM OBRAS"

Apesar de nos últimos anos o United ter demosntrado grande supremacia dentro da Inglaterra, basicamente usando as mesmas peças por 6 anos seguidos, olhando o futebol saturado que o United jogou na temporada que se encerrou, e jogando pro gasto disputou a taça até o último minuto da fantástica última rodada da Premier League, observo que o Manchester precisa iniciar o processo de reconstrução do time ou "entrar em obras".

Alguns jogadores do elenco do United já se encontram desgastados e parece que seu melhor momento dentro do clube já passou, penso que haja a necessidade de uma renovação no elenco. Aponto o setor de criação do meio campo vermelho como principal problema dessa equipe, Rooney é um jogador importantíssimo e talvez essa reformulação pode passar em torno dele.



A defesa precisa de zagueiros mais talentosos e jovens, não vejo Evans ou Smalling sucessores de Rio Ferdinand, que apesar de continuar a jogar em alto nível é preciso começar a pensar num plano B, pois começa a dar pinta de que está começando a entrar na fase final de sua carreira, Vidic sofreu com muitas lesões nas últimas temporadas e em geral não há um substituto a altura. As laterais é o setor mais preocupante, em geral pelo lado esquerdo Evra, capitão, parece perder fôlego a cada temporada, quem seria seu reserva, existe algum plano para essa transição? Fábio, suposto reserva dessa posição parece não fazer parte dos planos do United para a próxima temporada. Na lateral direita há dois concorrentes, Rafael, apesar de jovem e muito talentoso, não demonstra grande eficiencia na marcação e no posicionamento defensivo, Phil Jones, contratado nessa temporada é o oposto, bom defensivamente mas quando sobe ao ataque não representa grande perigo, precisa achar um jogador que possa fazer o meio termo.

Meio campo tem sérios problemas na criação a ponto de ter trazido de volta o aposentado Scholes na segunda parte do campeonato inglês, Giggs está prestes a encerrar sua gloriosa carreira no United, não sei se aguenta mais uma temporada interia jogando em alto nível, se puder, será muito útil nessa reformulação. Nani e Valencia são inconstantes, observo a necessidade de um jogador mais talentoso para dar cancha e qualidade ao meio campo, Sneijeder seria esse nome, por exemplo.



No ataque, nomes como Berbatov não tem mais ambiente no clube e irá sair, a aposta no jovem e talentoso Hernandez é válida desde que tenha um ataque mais presença de área e importante ao seu lado, Rooney já não é mais esse nome, pois sua posição já não é mais de atacante fixo, ele se acostumou a buscar o jogo e tem feito muito bem essa função de atacante que vem ao meio campo buscar essa bola.

E por fim, qual será o papel do gigante Sir. Alex Ferguson nessa reconstrução, sem querer me alongar acho que claramente estamos presenciando a história de um dos maiores técnicos do futebol mundial, a sua carreira aparece estar chegando ao fim, deixa um enorme legado. Seu papel nessa reconstrução, proposta por mim, seria de ser sábio como sempre foi em sua carreira em escolher essas peças de reposição, obviamente essa ida do gigante de Manchester ao estaleiro é sem dúvida pensando em competições europeias e caseiras, visto que os clubes ingleses estão recebendo uma injeção muito grande de recursos fazendo com que esse campeonato se torne um dos mais competitivos do mundo, e trazer o United de volta ao topo da europa jogando um ótimo futebol.
Talvez seja apenas uma impressão minha, acho inclusive que o Ferguson precisa escolher seu sucessor, aquele que vai dar continuidade ao seu trabalho. Mas acho que o United preocupando-se com essa reformulção poderia voltar a disputar o título europeu emcondições de chegar ao caneco.

http://1.bp.blogspot.com/-nvTyiYRb2AE/T0LI-QF6WnI/AAAAAAAAAQ4/fkD4X0lQBRM/s1600/manchester_united_s_manager_sir_alex_ferguson_hold_1315717572.jpg

segunda-feira, 11 de junho de 2012

A COPA DE 1966


Nesse post vamos passear um pouco pela copa do mundo de 1966, a copa que entrou pra história com o erro de arbitragem da final entre Inglaterra, anfitriã, Alemanha Ocidental na tarde de verão em Wembley. Observando alguns dados, podemos observar outros aspectos desse mundial, um deles foi a presença de grandes seleções e o fim de uma dinastia do futebol bicampeão mundial, o Brasil.

Bem para começar a falar dessa copa precisamos falar dos envolvidos nelas, o grupos ficaram dispostos da seguinte forma:

Sede: Inglaterra
Campeão: Inglaterra - 1º título
Jogos: 32
Gols: 89
Média de gols: 2,78
Público: 1.614.677
Média de público: 50.459
Artilheiro: Eusébio (Portugal) - 9 gols

Grupo A - Inglaterra; Uruguai; México e França

Grupo B - Alemanha Ocidental; Argentina; Espanha e Suiça

Grupo C - Portugal; Hungria; Brasil e Bulgária

Grupo D - URSS; Coreia do Norte; Itália e Chile

Posto esse grupos vamos a alguns dados que demonstram esse equilíbrio:

Inglaterra e Argentina terminaram com a melhor defesa, média de 0,5 sofridos, Portugal com o melhor ataque, média de 2,8 de gols marcados, Bulgária, México e Suíça piores ataques, média de 0,3 gols marcados, Suíça ainda teve a marca de pior defesa, média de 3, 0 gols sofridos.

Maior goleada foi no jogo entre Alemanha 5 x 0 Suíça.

Bom, depois desses dados vamos a análise dos fatos mais relevantes, falando da seleção brasileira, essa copa do mundo não é muito saudosa por aqui, pois representou o fim de um ciclo vitorioso da história do futebol brasileiro, o time que foi bicampeão mundial chegava a Inglaterra com banca de favoritos e tinha também um pouco de soberba por parte dos brasileiros, pois caíram num grupo que relativamente parecia fácil. Mas outros fatores extra campo favoreceu para o que para muitos foi a conhecida bagunça na preparação dessa copa, muitos clubes exigiam seus jogadores nessa seleção, chegando a um momento em que se tinha 42 jogadores no plantel, sendo que o técnico Vicente Feola só poderia convocar 22, optando pela geração já envelhecida dos bicampeões. Pelé que já era o grande astro daquela seleção ao lado de Garrincha, foi caçado em campo, muitas entradas violentas, principalmente no jogo diante de Portugal de Eusébio, maior jogador luso da história, onde Pelé precisou sair de campo contundido e não jogou mais aquele torneio. Garrincha pouco pode fazer.

A campanha do Brasil foi:

Brasil 2 x 0 Bulgária

Hungria 3 x 1 Brasil

Portugal 3 x 1 Brasil

http://www.youtube.com/watch?v=yOgeA-KBWQU&feature=related vídeo do jogo entre Brasil x Portugal.




















Pela primeira vez na história um campeão mundial era eliminado na primeira fase. Outro bicampeão mundial a Itália foi eliminada de forma surpreendente pela Coréia do Norte, estreantes em copa. A azzurra foi recebida na volta com tomates. Ou seja, a copa reservava momentos importantes e históricos.

Outra grande seleção que chegava aquele mundial cercada de expectativa era a URSS, do lendário goleiro Lev Yashin, muitos os considera o maior goleiro da história do futebol, seria a ultima copa desse grande goleiro. Chegou a sua melhor colocação em copas do mundo naquele mundial, 4° lugar, foi eliminado pela Alemanha Ocidental nas semifinais.

Time soviético de 66: Yashin; Ponomaryov; Shesternyov; Khurtislava; Sabo; Danilov; Chislenko; Voronin; Khusainov; Banishevski; Malafeev.

Muitos intendidos dizem que essa foi a melhor seleção da URSS em todos os tempos, há quem diga que foi a de 88, finalista da euro, mas como a lógica é a copa de 66, deixemos a de 1988 pra outra hora.

As zebras dessa copa teve nome, Coréia do Norte, país que nunca disputou a competição se notabilizou por eliminar a Itália, bicampeão do mundo, na fase de grupo e só foi eliminado apenas nas 4° de finais por Portugal de Eusébio.

Outra partida inesquecível dessa copa foi o encontro entre ingleses e argentinos pelas 4° de finais, seria um jogo normal se não fosse um lance com o jogador argentino Ratin que foi desqualificado e protagonizou uma das cenas que entraram pra história do futebol, quando passou em frente a rainha britânica e fez gestos o bscenos na direção da tribuna e amaçou a bandeira inglesa. Partida vencida pela Inglaterra por 1 x 0 gol de Hurst.

Imagens do lance.






Nas semifinais teriam os confrontos entre Inglaterra x Portugal e Alemanha Ocidental x URSS.

Melhor do que falar sobre ai vai o vídeo do confronto entre os dois, vitória inglesa por 2 x 1, dois gols de Bob Charlton e Eusébio descontou para os lusos, jogo realizado em Wembley.


No outro confronto Alemanha Ocidental venceu a URSS por 2 x 1 também, a exemplo do outro confronto, gols de Haller e do jovem Beckenbauer e Porkuyan descontando pros Soviéticos, em Goodson Park, olha o jogo ai.



Bem a final foi o grande momento dessa copa, pois colocou frente a frente Alemanha Ocidental x Inglaterra. O jogo teve prorrogação, no tempo normal ficou no 2 x 2. Na prorrogação é que aconteceria o lance mais polêmico da história do futebol, bola que chutada por Hurst, bate no travessão e volta em cima da linha, juiz valida o que seria o 3° gol inglês, depois desse ainda viria o 4° e selaria o primeiro e único título inglês da história.

Vídeo do jogo:


Futebol é um esporte tão sensacional que 44 anos depois num jogo de copa do mundo entre Inglaterra x Alemanha, na copa de 2010, houve um lance idêntico para os ingleses, num chute de Lampard, só que dessa vez a bola entrou muito e não foi validado. Resumo Alemanha venceu aquela partida por 4 x 1 e eliminou os britânicos da copa.

O JOVEM CRAQUE

 http://www.njovem.com.br/wp-content/uploads/2011/05/njovem20110525_neymar.jpg

O objeto da minha análise nesse post é definir em qual momento se encontra o jovem astro brasileiro, Neymar, que esse rapaz tem um talento sensacional não há discussão, mas a eterna comparação com o astro maior do futebol atual e sem dúvida um do maiores de todos os tempos, Messi, pode estar influenciando negativamente no amadurecimento da estrela tupiniquim. O abismo da falta de grandes talentos no atual cenário brasileiro faz com que seja colocada uma carga muito grande de espectativa em cima de um jovem de 20 anos de idade.

Com  essa pouca idade já conquistou títulos importantes e artilharias de torneios importantes, mas parece que ele sempre precisa provar mais alguma coisa, se não nunca será o bastante. O problema dessa exigência fora do normal e perdemos um grande talento prematuramente por falta de paciencia. Neymar é um jogador especial que precisa ser muito bem trabalhado, coisa que o Santos faz muito bem, mas além disso ele demonstra muita humildade e consciencia de seu papel no cenário brasileiro.

Acho desmedida a comparação com Messi em todos os sentidos, pois o argentino é um jogador mais pronto, joga no futebol europeu desde seus 14 anos de idade, tem um talento fora do comum, e tem pra si a chance de enfrentar os maiores zagueiros do futebol mundial, e em todos esses embates foi muito bem. Talvez essa seja a grande diferença técnica entre os dois. Messi é um jogador que apenas aos 24 anos de idade já tem um curriculum que já o coloca no olimpo do futebol mundial, podemos até dizer que daqui a alguns anos se ele mantiver esse nível, será o grande jogador da nossa era. Declarações como a de Pelé por exemplo quando diz que Neymar é melhor que Messi, não ajudam no desenvolvimento do jovem brasileiro. Mas o que dá pra perceber é que Neymar é um rapaz com a cabeça muito boa e em várias entrevistas ele sempre faz questão de mencionar a grandeza de Messi e que o argentino é o espelho pra ele.

http://www.abola.pt/img/fotos/fotosap/argentina/2012/messi04.jpg

E por fim, outro dilema da carreira de Neymar, ir ou não ir pra Europa, eis a questão?! Bem, li e ouvi muitas pessoas dando pitacos sobre essa questão, muitos interesses adversos. Mas técnicamente seria muito interessante para o desenvolvimento de Neymar, obviamente em minha modestíssima opinião, pois lá ele teria a oportunida de enfrentar os melhores defensores do mundo, seria um baita teste para o jovem craque. Pois acredito que no Brasil e na américa não há mais um grande desafio para esse rapaz, tendo como base para essa analise o que ele já conquistou com tão pouca idade. Com todo respeito aos campeonatos estaduais, mas Neymar é grande demais pra se contentar com boas atuações diante de adversários fracos.

Ainda paira uma dúvida sobre Neymar, ele é capaz de resolver jogos grandes, tanto pelo Santos e pela selção do Brasil? Já provou que quando bem marcado fica nulo, deu pra pereceber isso nos confrontos diante do time argentino do Vélez pela libertadores. Sabendo que na Europa, Neymar além de não ter vida fácil em campo, não seria o centro das atenções, teria que dividir seu pequeno estrelismo fora do Brasil contra outros jogadores de menor potencial técnico. Será que isso o faria crescer ou o faria diminuir seu talento?

http://imguol.com/2012/06/09/neymar-cumprimenta-messi-apos-a-vitoria-argentina-craques-trocaram-suas-camisetas-1339276994297_1024x768.jpg

Qual sua opinião?

domingo, 10 de junho de 2012

GUARDIOLA E A CBF


Nesse texto vou tentar analisar uma questão que vem sendo colocada ultimamente desde a saída de Pep Guardiola do comando do Barcelona, muitas pessoas cogitam a possibilidade de o técnico catalão assumir a seleção brasileira de futebol, vamos que tipo de cenário Guardiola encontraria se supostamente chegasse ao comando da seleção da CBF.

Para iniciar essa analise não podemos deixar de citar a grave crise técnica de talentos que nos encontramos, falta de grandes jogadores, o Brasil que já foi reconhecidamente a grande seleção de futebol, pais mais vitorioso do futebol mundial, com 5 títulos mundiais conquistados, hoje amarga uma falta de perspectiva técnica gigantesca. O auge dessa seleção parece ter ficado no passado, principalmente nas décadas mágicas de 50, 60, 70 e 80, quando pode se também observar o interesse popular pela seleção, talvez a ultima grande seleção que tenhamos visto com empolgação foi a de 1994, quando tínhamos uma time com boa qualidade mas muito subestimado por conta de ser um time que não empolgava, mas mesmo assim foi vencedora.

A seleção de 2002 se destaca por ter sido campeã mundial, mas foi uma seleção que ficou mais marcada pela superação das lesões do Ronaldo, pela grande copa que Rivaldo jogou do que propriamente dita às atuações que não chegaram a empolgar, fora a final é claro, que foi um banho de bola na Alemanha. A seleção de 2006 talvez tenha sido aquilo que de melhor teríamos em 10 anos em termos de nomes para a montagem de uma seleção, os principais jogadores do mundo naquela época eram brasileiros, como esquecer a temporada que Ronaldinho Gaúcho, Adriano e Kaká faziam na Europa, mas, contudo aquela seleção não tinha o comprometimento devido para ser campeão mundial e, aliás, Parreira não conseguiu dar padrão aquele time, consegue imaginar Pep comandando um grupo sem comprometimento necessário?

Levando essa análise para os técnicos, podemos dizer que o ultimo grande técnico que dirigiu a seleção brasileira foi Telê Santana, com aquela grande seleção dos anos 80, ok, você pode se perguntar, mas Parreira e Felipão não entram nessa lista? Eu diria que poderíamos colocar por que foram campeões mundiais, talvez a copa de 1994 tenha dado ao Parreira a grande sorte que Telê não tenha tido, mas olhando para seu comando na copa de 2006, onde talvez tenhamos tido a grande seleção brasileira em 10 anos, não conseguiu dar um possibilidade daqueles grande jogadores, e um pouco por culpa dos próprios, jogar o grande futebol que se esperava. E Felipão com sua seleção de 2002 ficou mais marcada pela forte defesa do seu 3-5-2 do que por bom futebol. Obviamente longe de qualquer questionamento ou tentativa de diminuir os feitos desses técnicos que merecidamente foram campeões mundiais, a questão aqui é demonstrar onde encaixamos as inovações técnicas e táticas.

Falando em termos caseiros, talvez o grande último técnico que tivemos foi Vanderlei Luxemburgo, principalmente, no inicio dos anos 90, com o Palmeiras da Parmalat, no fim dos anos 90, com aquele Corinthians bicampeão ou o Cruzeiro do inicio dos anos 2000. Muricy com seu São Paulo tricampeão brasileiro se caracterizou muito por fortes defesas e muito pouco de inovação técnica.

Essa pequena análise é para demonstrar qual nível técnico que nos encontramos nesse exato momento. Se caso Guardiola assumisse a seleção do país encontraria uma time que raramente joga em seu país, convocações questionáveis por conta desses compromissos internacionais, liberação de uma lista prévia para o presidente da confederação, baixa qualidade técnica de jogadores, tirando Neymar que é o que há de melhor no futebol nacional, você não encontra nenhum grande jogador brasileiro em grandes clubes mundiais. Fora a resistência de uma ala “radical” da mídia tupiniquim que jamais aceitaria a presença de um técnico estrangeiro no comando da seleção brasileira e não o deixaria trabalhar tranquilamente.

Guardiola que em 4 anos de Barcelona, ganhou 13 títulos de 19 disputados, não seria bom o suficiente para o lugar de Mano Menezes, ou alguém acha que Muricy Ramalho que seria a bola da vez, faria algo diferente do atual técnico? Nossa crise atual passa por jogadores e técnicos também. Talvez o Catalão pudesse fazer uma revolução não só na seleção principal, mas também movimentar e melhorar as categorias de base.

Enfim talvez fosse uma grande oportunidade de voltarmos a ser os maiores no futebol mundial, será que nossa arrogância nos deixaria ver que não somos mais os melhores e nem estamos mais perto deles? Será que aceitaríamos um espanhol dizer o que é melhor para o futebol mais vencedor do mundo?

Qual é sua opinião?